Skip to content

Por que as empresas não sabem contratar e promover bons líderes?

Contratar ou escolher líderes, de fato, sempre foi uma das etapas mais difíceis nas organizações. Escolher alguém com pensamento estratégico, visão de futuro, organização, planejamento, focado em resultados, habilidade de relacionamentos, comunicação assertiva, senso de pertencimento, dentre outras competências e técnicas importantes para liderar, se torna então uma das tarefas mais complicadas para a área de recursos humanos e gestores.

Devido à complexidade da função não podemos tomar decisões baseados somente naquilo que observamos nas entrevistas ou então no dia a dia de trabalho de um colaborador. Devemos utilizar ferramentas que nos auxiliem a identificar inúmeras coisas que, na maioria das vezes, ficam ocultas nas entrevistas como por exemplo:

  • Esta pessoa dá valor para liderar e conduzir pessoas em busca de resultados?
  • Possui as facilidades comportamentais que o cargo exige de fato?
  • Se encaixa com a equipe que ali se encontra?
  • Se encaixa com a cultura organizacional?
  • Está alinhada com os resultados e metas de crescimento da empresa?
  • Compartilha dos mesmos valores?
  • Conhece sobre as técnicas de liderança?
  • Possui as competências essenciais para assim ser líder?
  • Irá ter um bom relacionamento com o seu superior imediato?

Mas a pergunta mais importante que fica é: Um bom funcionário, aquele que atinge os resultados esperados pela empresa, será um bom líder?

Muitas vezes as empresas promovem um colaborador baseado em seus resultados como liderado. Acabam tendo uma grande surpresa quando ele assume uma posição de liderança. E por que isso acontece então? Por vários motivos, a saber:

  • As competências de um funcionário operacional são muito diferentes das competências de um líder. Portanto, ao pensar em promovê-lo, deve-se avaliar se ele tem as competências para liderar;
  • É preciso gostar de liderar. Apesar de um colaborador apresentar características de um ótimo líder, isso não basta. Porque ele pode ser ótimo em liderar a si mesmo, os seus próprios resultados, mas não liderar um time e os resultados dos outros;
  • Os comportamentos de um liderado são bem diferentes de um líder e isso deve ser analisado de forma minuciosa;
  • Para liderar é preciso alguns conhecimentos específicos, entender de algumas técnicas que, normalmente, as pessoas não sabem.

Então, como fazer para ser mais assertivo na contratação ou promoção de um líder?

Temos hoje no mercado diversas ferramentas de avaliação de perfil e identificação de talentos e competências. Tais ferramentas podem auxiliar o RH e os gestores na tomada de decisão quanto a contratar ou promover um líder. Quanto maior o número de ferramentas utilizadas, mais assertivo se torna o processo de colocar a pessoa certa no lugar certo.

Cito abaixo algumas ferramentas que vocês podem encontrar no mercado:

  • Avaliação comportamental;
  • Teste de valores e motivações;
  • Inteligência Emocional;
  • Análise de competências;
  • Clareza de pensamento e tomada de decisão;
  • Estilo de aprendizagem;
  • Técnicas de liderança.

Para concluir vale refletir sobre o investimento de um processo com diversas ferramentas. Por mais que o custo inicial seja maior, a eficiência, a assertividade e a redução de gastos futuros com certeza já valerá a pena todo este investimento.

Também não podemos esquecer que o acompanhamento deste profissional deve ser contínuo. É de suma importância que o líder esteja atualizado. E, a todo o momento, melhore as suas técnicas, comportamentos, habilidades e conhecimentos. Além disso, que ele incentive os seus liderados a evoluir.

“É melhor pagar caro para fazer um bom processo seletivo do que pagar o dobro para consertar um processo ruim.”

Deseja entender e conhecer um pouco mais sobre as ferramentas citadas acima? É só entrar em contato comigo que terei prazer em contribuir para que a sua empresa tenha os melhores líderes do mercado.

Gostou do artigo? Quer saber mais sobre como contratar e promover bons líderes? Então entre em contato comigo. Terei o maior prazer em responder.

Artigo originalmente publicado na página da Cloud Coaching


Katia Miyazono – Sócia diretora da Acerto RH, Especialista em Assessment (DISC, Valores, Motivadores, Inteligência Emocional, Competências, Axiologia, Atributos, Talentos, Avaliação 360° e Profiler) Coaching e Idealizadora do grupo de estudos Café com Assessment.

Related Post

Como o Uso de Assessment pode Tornar seu RH Mais Estratégico

Hoje, muito se fala em se tornar um RH mais estratégico e menos operacional, mas fazer isso não é tão fácil quanto achamos. Existem diversos aspectos que podem impedir você,

DISC e outros assessments no Processo de Coaching

A maioria dos profissionais de coaching utiliza algum tipo de assessment para avaliar o perfil do seu coachee. Isso como forma de trazer o autoconhecimento e assim ajudá-lo a entender

Como Ferramentas de Assessment podem Diminuir o Turnover da sua Organização

Você sabia que hoje o Brasil é campeão em turnover no mundo? Para quem ainda não sabe, turnover vem do termo em inglês – virada, renovação, reversão. Este termo serve para designar a rotatividade

Dicas de como aumentar suas vendas com o DISC

Todos sabem que a metodologia DISC avalia nossos comportamentos observáveis, logo, o nosso estilo de comunicação, o idioma de cada ser humano. Pensando nisso, o DISC se torna uma ótima

Solicitação de Contato

Nos mande uma mensagem, e em breve retornaremos o contato.

Open chat
Fale com a gente